Agende Uma Sessão Gratuita

A Vida Emocional do seu Cérebro

Versão para impressão
Matheus Ferreira - Integral Professional Coach™ e Coach Certificado da Metacoaching©. Atua em Denver, Colorado – EUA

No ultimo dia 09/12 fui assistir a palestra do professor Richard Davidson, Ph.D., um dos mais renomados cientistas no trabalho de exploração das emoções humanas e seus caminhos neuronais e no entendimento do cérebro e da atuação da mente consciente.

A questão das emoções sempre me interessou por causa do meu trabalho em processos de transformação organizacional, desenvolvimento de líderes e coaching executivo. Em qualquer coisa que façamos as emoções estão sempre ali e a implementação de mudanças com sucesso em organizações está diretamente relacionada ao nossos estados emocionais, assim como no caso de processos de transformações no nível do indivíduo.

Resolvi escrever este artigo para compartilhar o que existe de mais recente nas pesquisas sobre Mindfulness , ou Plena Consciência como chamamos no processo Metacoaching, e seu impacto no bem-estar individual e coletivo.

Um breve histórico do Dr. Davidson: um estudante de Harvard que na década de ’70 já era amigo e colega de classe de Daniel Goleman, autor do livro Inteligência Emocional, John Kabat-Zinn, o fundador do método extremamente difundido aqui na América do Norte, o MSBR – Plena Consciência aplicada na Redução do Stress, amigo pessoal de Francisco Varela, biólogo Ph.D. pela Universidade de Harvard e também filósofo que juntamente com Humberto Maturana criou a teoria da autopoiese.

Dr. Davidson também tem atuado no Center for Investigating Healthy Minds, centro de pesquisa sobre a mente humana que integra as práticas contemplativas das tradições orientais com a ciência moderna.  Este centro nasceu de um encontro com sua Santidade o Dalai Lama em 1992 que pessoalmente desafiou o Dr. Davidson a investigar como o desenvolvimento de práticas de bem-estar podem ser incrementadas através dos insigths da neurociência. Sua Santidade o Dalai Lama acredita que “Todos os seres humanos tem um desejo inato de superar o sofrimento e encontrar felicidade’. Isso impulsionou o Dr. Davidson a realizar pesquisas e experimentos científicos do mais alto rigor sobre como a mente funciona e como o bem-estar pode ser cultivado.

Como Coach, este é com certeza um dos temas mais prementes nos tópicos de coaching de meus clientes. Como posso superar esta situação com meu gestor? Como posso viver uma vida e um trabalho que tenham mais significado para mim? Como posso dominar minhas emoções de modo que elas não criem uma imagem negativa para mim no meu ambiente profissional? Estes são alguns exemplos com os quais eu lido diariamente com meus clientes.

Durante a palestra o Dr. Davidson destacou quatro pontos centrais sobre suas pesquisas:

  1. Neuroplasticidade: o cérebro é construído para mudar sua estrutura devido as experiências do dia-a-dia. Nosso cérebro se molda a partir de nossas experiências, quer queiramos ou não. Este é  a razão central de cultivarmos hábitos mentais saudáveis de maneira consciente;
  2. Epigenética: em pesquisas com meditadores avançados foram registradas claras mudanças na expressão de certos genes de indivíduos depois de apenas 8 horas de meditação. Mudanças biológicas acontecem a partir da prática de meditação contínua;
  3. A descoberta de ‘vias expressas’ bi-direcionais entre cérebro e corpo: diversos testes provaram como o cultivar o bem-estar do corpo afeta diretamente o bem-estar da mente e vice-versa;
  4. Bondade Inata: este foi tópico mais polêmico abordado pelo Dr. Davidson, mas ele se posicionou com muita cautela e segurança. Em diversos testes, foi dada a escolha para bebês de 06 meses de idade sobre que tipos de imagens eles prefeririam, imagens que mostram estímulos de cooperação e acolhimento ou imagens agressivas e egoístas. Todos os bebês respondem preferindo ao estímulo de acolhimento e cooperação. Davidson descreveu em detalhes o processo científico e as ferramentas utilizadas para esta medição, mas também deixou claro que isso é só o começo da pesquisa neste campo.

O que isso tudo tem a ver com o Coaching? Tudo! Especialmente na abordagem que utilizamos na Metacoachng que é o Coaching Integral. Uma abordagem que compreende que mudanças produtivas só irão acontecer se trabalhamos com o indivíduo como um todo: Mente, Emoções, Corpo e Consciência. E pouquíssimas abordagens tem trabalhado estas quatro dimensões com êxito.

Um dos temas que consiste a base de nosso trabalho é a Plena Consciência (Mindfulness) durante o processo de coaching. Nesta direção o Dr. Davidson realizou estudos que constatam que na América do Norte 47% das pessoas não prestam atenção plena sobre o que estão fazendo.

Considerando que atualmente temos uma grande questão de transtorno de déficit de atenção, o quanto desenvolvermos nossa atenção, nossa Plena Consciência, não afetará nossos relacionamentos pessoais,  relacionamentos profissionais e nossa produtividade? Estas foram questões levantadas pelo Dr. Davidson.

Ele também comentou que o Reitor da Escola de Negócios da Universidade de Wisconsin-Madison, da qual Davidson também faz parte, mas no Laboratório de Neurociência Afectiva, o contatou perguntando qual seria o impacto destas pesquisas para o mundo dos negócios.

Quando falamos de bem-estar sabemos o quanto as organizações e profissionais gastam com planos de saúdes e arcam com custos do afastamento de colaboradores por motivos de depressão, stress e burn-out. Neste sentido, Dr. Davidson comentou que já está atuando no desenho de um currículo de práticas de como cultivar hábitos mentais saudáveis para executivos que possa ser aplicado no dia-a-dia de forma simples.  Ele acredita que quando a eficácia deste currículo for comprovada e os custos organizacionais  por baixa produtividade ou afastamento baixarem as organizações irão aderir em massa a técnicas de Plena Consciência e cultivo do bem-estar.

Acredito que os processos de coaching profissional e pessoal atuam diretamente como a ponte entre produtividade, bem-estar e consciência, mas para isso as organizações e profissionais devem procurar entender se a abordagem de coaching que estão contratando é uma abordagem que possui esta característica integrativa ou se somente desenham metas e planos de ação que normalmente resultam em baixa aderência e consequentemente resultados insatisfatórios.